Esta canção é só pra dizer e diz

Convidamos o nosso curador musical Fábio Codevilla para montar uma seleção especial para os apaixonados no Spotify do Zaffari. Saiba mais sobre as escolhas da playlist Curtir bem Juntinhos.

Ah… o amor.
Poucos temas são tão recorrentes na música pop.
Os altos e baixos, as dedicatórias, as conquistas, as decepções, as infinitas formas de tentar dizer que amamos alguém.

Ainda que desde compositores clássicos como Brahms e Schumann, que até se envolveram em um triângulo amoroso, Beethoven, Wagner, Rossini e Chopin escrevessem com este propósito, foi a partir da década de 1950 que o amor tomou conta da música pop.

Aliás, boa parte das composições que povoaram as paradas e o imaginário coletivo versavam sobre o tema. Dos casos mais óbvios, faça um exercício e relembre as obras iniciais de nomes como Elvis Presley e The Beatles, por exemplo, Love me Tender, I Love You, (Let Me Be Your) Teddy Bear, I Want to Hold Your Hand, All my Loving, And I Love You, Love Me Do

Ainda nas décadas de 1960 e 1970, pense na contribuição que a soul music deu a apaixonados através de odes como Let’s Stay Together (Al Green), My Girl (The Temptations), Signed, Sealed, Delivered I’m Yours (Stevie Wonder), Let’s Get it On (Marvin Gaye), When Somebody Loves You Back (Teddy Pendergrass) e You Make Me Feel Like A Natural Woman (Aretha Franklin).

Dos clássicos endereçados, é legal lembrar de Just the Way You Are de Billy Joel, composta para sua esposa em 1977 e regravada por nomes como Diana Krall e Barry White, Layla de Eric Clapton, dedicada a Pattie Boyd, que na época em que foi gravada era casada ainda com George Harrison que também imortalizou Something em sua homenagem (que musa a Pattie Boyd, hein?!) e My Love de Paul McCartney, das mais belas compostas a Linda.

Nesta playlist, temos até um curioso relacionamento. Mesmo após um casamento de 10 anos e uma separação bastante traumática, Chris Martin e Gwyneth Paltrow voltaram a se entender no mais recente trabalho do Coldplay. Everglow traz a atriz como convidada especial de Chris para dividir os vocais na faixa do aclamado A Head Full of Dreams e versa exatamente sobre aceitar uma separação. Não que isto soe pouco romântico, a ideia desta playlist está longe disto, mas aceitar o outro também é um ato de amor, não? “Como irmãos de sangue (…) nós juramos naquela noite que seríamos amigos até morrermos”.

E lembra que no começo deste texto eu comentava que cantar o amor não é necessariamente uma tarefa das mais fáceis para quem compõe? Fique com os versos do delicioso sambinha Quatro Paredes que abre esta playlist especial:

“Procuro explicar o meu sentimento
E só consigo encontrar
Palavras que não existem no dicionário
Você podia entender meu vocabulário
Decifrar meus sinais, seria bom”

Boa audição!

Deixe uma resposta